“Se vestir é quase um ato político”, diz Cândida Romero

Das passarelas de Azzedine Alaïa e Yoji Yamamoto até uma vida badalada em Paris.

Cândida Romero foi modelo de Azzedine Alaïa, Kenzo, Yohji Yamamoto e muitos outros grande nomes da moda mundial na década de 1980. Parisiense do bairro 6, a famosa Rive Gauche, onde grandes escritores como Simone de Beauvoir e Jean Paul Sartre passaram grande parte de suas vidas, Candida faz justiça ao que dizem das mulheres que ali vivem. É bela, culta, engajada em conversas que vão de política ao melhor creme para a pele do momento e fashionista, daquelas capazes de fazer uma loucura para ter uma peça que ame, mesmo que nunca a tire do armário. Um pouco do seu estilo incomparável no bate-papo.

Você pode descrever seu look na foto?

Estilo aventureira cool, andrógina, com um toque do estilo Harlem (graças a minha boina Stetson). Ah! Botas da Antibatik e meu cachorro, um Corgi Romênio, o mesmo do meu escritor preferido, Michel Houellebecq.

Sendo parisiense, como a cidade influencia sua maneira de vestir?

Paris, seus bairros e suas ruas… Frequentemente, ao passear pelas ruas de “Paname”  (apelido de Paris usado na linguagem popular da cidade) me dou conta que, tanto homens, quanto mulheres de todas as idades têm estilos únicos e criativos no vestir. Isso é bem Paris, uma cidade em que a moda vintage é tendência. Isso é uma joia poética para mim e uma fonte de inspiração. Eu detesto a uniformidade, a banalidade e a indiferença. Para mim, saber vestir-se representa um ato quase político!

Qual a sua relação com a moda?

Uma relação de bem estar e alegria, mesmo se às vezes “o hábito não faz o monge”.

O que é essencial para você? A beleza ou a roupa?

Nossa aura, nosso brilho pessoal, são eles que fazem todo o trabalho!

Quais são seus indispensáveis de moda e beleza? E perfume? Você usa frequentemente? Qual seu favorito?

É importante estar confortável, mas com um toque sexy, sem ser a mulher fatal. Acho que o sexy-andrógino é o estilo que mais me corresponde. Eu gosto de uma bela camisa em popeline com um blaser bem cortado, uma calça jeans que valorize pernas e bumbum e botinas de salto com uma echarpe ou pashmina bem suave em torno de meu pescoço. Quanto aos perfumes, eu uso apenas as minhas criações. Eu usei muito tempo o Eau de Couvent e depois o Divine de Couvent.

Qual o seu estilista preferido?

Azzedine Alaïa, um grande mestre em tudo que ele faz e um grande amigo.

Uma fórmula para estar sempre bem-vestida?

Olhar a previsão do tempo e pensar no nosso conforto, sem perder o desejo de seduzir. A moda é também o desejo de seduzir, de não passar despercebida.

Um conselho?

Ter e manter a classe.

moda-real3

(Ana Garmendia/ELLE)

Você tem um ícone de moda?

Atualmente a mais incrível é Inès de la Fressange!

O que você escuta como música?

Meus gostos são bem ecléticos, chegam ao limite da minha obsessão e do meu humor. No último verão, eu escutei sem parar “A sky full of stars”, do Coldplay. Agora eu escuto velhos sons de RNB e uma cantora de jazz coreana que se chama Youn Sun Nah.

Quais são seus lugares preferidos em Paris para se divertir, passear, comer?

Eu adoro Saint Germain pela sua beleza arquitetural. Nesse momento eu vou muito ao bairro 10. Lá existem lugares muito bons para comer. O restaurante “John Viande” é maravilhoso para comer uma boa carne. Na Rua du Faubourg St Denis existem muitos pequenos bares. Eu gosto muito do Le Napoléon e, para escutar música, gosto do New Morning ou ainda assistir uma peça no Sentier des Halles.

As parisienses são conhecidas pela forma e beleza, quais são seus segredos?

Um banho bem quente, um creme esfoliante e hidratante todas as manhãs para acordar bem. Andar por Paris. Uma ou duas horas de Yoga ou de Barra ao Solo e não fumar .

Verdade que as parisienses são cuidadosas para garantir a boa forma?

Pessoalmente, eu acho que temos tão bons restaurantes que seria uma pena não aproveitar.

Qual é sua profissão?

Artista e criadora de um lugar de arte e de encontros na Córsega. Tenho também uma marca de produtos de beleza e perfumes, a Eau de Couvent.

Veja também
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s