Exposição mostra o lado transgressor do mundo da moda

Tenue Correcte Exigée, Quand le Vêtement Fait Scandale examina como a moda desafiou códigos do vestuário ao longo dos séculos.

Em cartaz até 23 de abril de 2017 no Museu de Artes Decorativas de Paris, a exposição Tenue Correcte Exigée, Quand le Vêtement Fait Scandale traça os maiores escândalos da moda desde o século 14 até os dias de hoje na sociedade europeia.

Leia mais: Nova exposição no MET mostra a evolução da moda desde o século 18

Ela detalha as quebras de códigos ditados pela sociedade, notadamente a aristocracia e burguesia francesa e inglesa e, não raras as vezes, faz alusão a textos bíblicos que condenavam o uso de determinadas roupas e cores.

Da guerreira e santificada Joanna D’arc, na época condenada à morte por ser mulher e fazer parte de um exército vestida como homem, à rainha decapitada na Revolução Francesa, Maria Antonieta, e ao recente momento em que a Chanel quebrou os padrões de elegância tirando o salto alto das passarelas de alta-costura e colocando tênis, a mostra ocupa dois andares do Artes Decorativas, um dos museus anexos ao gigante Louvre.

Leia mais: Os detalhes da imperdível exposição sobre o estilo da Princesa Diana

Peças de Jean Paul Gaultier que passam do íntimo ao social . E as saias para os homens na criação de Vivienne Westwood e Jean Paul Gaultier.

Peças de Jean Paul Gaultier que passam do íntimo ao social. (Ana Garmendia/ELLE)

O chamado dress code, ou código de vestir, sempre foi uma obrigação aos membros da alta sociedade e através desse levantamento histórico fica clara a importância de alguns movimentos para restabelecer novas regras. Um deles foi o Futurismo, surgido no final da década de 1960 com as criações de André Courrèges, Pierre Cardin e Paco Rabanne. Na época, os vestidos curtos e com uma simplicidade nas formas e cores causaram escândalo em uma sociedade que vivia uma grande crise culminada no famoso maio de 1968, o principal movimento político popular da história do século 20.

Tenue Correcte Exigée traz ainda a presença das peças rasgadas na moda com exemplos da Idade Média até chegar em símbolos da música como o cantor Kurt Cobain (1967-1994), um dos líderes da imagem do movimento grunge na década de 1990.

Leia mais: FIT abre exposição para celebrar a moda criada por negros

A mostra tem uma parte interativa, onde os visitantes podem testar seus conhecimentos sobre a história dos códigos (por exemplo, se era permitido o uso de redingotes às mulheres em eventos como um almoço) e uma sessão dedicada a frases sobre o vestir de grandes estilistas como Gabrielle Chanel, Yves Saint Laurent e Gianni Versace.

O Museu das Artes Decorativas fica no 107, rue de Rivoli. Telefone : 00 33 144555750

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s