Mostra Internacional de Teatro de São Paulo começa no dia 14

Na próxima semana, acontece na capital paulista a MITsp, com espetáculos de destaque da cena teatral internacional.

A mistura de linguagens artísticas, o protagonismo negro e o teatro documentário (ligado a fatos reais e biográficos) são os eixos da já aguardada MITsp – Mostra Internacional de Teatro de São Paulo, que chega agora à sua quarta edição. Entre os dias 14 e 21 deste mês, dez espetáculos de países como Alemanha, Chile, Líbano, Bélgica e África do Sul serão apresentados em diversos endereços da metrópole paulistana, como o Theatro Municipal (onde acontece a abertura da programação).

Entre os espetáculos, destaca-se Black Off, solo da atriz, cantora, ativista e performer Ntando Cele, de Durban, na África do Sul. Com instalações de vídeos e referências ao stand up comedy, ela, que é negra, vive uma personagem branca, Bianca White, uma filantropa que julga saber tudo sobre negros e quer ajudá-los a superar sua ”escuridão interna”. “Desde a edição passada quis trazê-la ao Brasil e só agora conseguimos. Ela tem um trabalho extremamente relevante, raivoso e irônico, sempre usando a chave do humor”, conta Antônio Araújo, um dos idealizadores e diretor artístico da MITsp.

Outras montagens imperdíveis são as três criações do ator, dramaturgo e artista visual Rabih Mroué, do Líbano. Ele traz Tão Pouco Tempo, Revolução em Pixels e Cavalgando Nuvens, que juntam questões pessoais com outras de ordem social, além de realidade com ficção, em obras que fundem vídeo, performance e teatro. O Brasil também não ficou de fora da mostra. Há três espetáculos: Para que o Céu não Caia, da coreógrafa Lia Rodrigues, que já foi mostrado em países como França e Alemanha, e é inspirado nos livros Há mundo por vir?, de Deborah Danowski e Eduardo Viveiros de Castro e A queda do céu, do xamã Davi Kopenawa; e os inéditos A Missão em fragmentos: 12 Cenas de Descolonização em Legítima Defesa, com direção de Eugênio Lima, sobre uma revolta de escravos na Jamaica, e Branco: o cheiro do lírio e do formol, com dramaturgia e direção de Alexandre Dal Farra, que coloca diversos pontos de vista sobre questões relacionadas à branquitude. A ideia é abordar criticamente o lugar do branco na sociedade brasileira, como uma figura ativa na estruturação de uma sociedade racista. 

Para conhecer a programação completa, que inclui ainda debates, palestras e workshops, acesse mitsp.org/2017. Os ingressos estão à venda no portal Sesc SP, Ingresso Rápido e CompreIngressos.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s