Conheça a história da Goyard, uma das maiores marcas de luxo do mundo

A label misteriosa que não tem anúncios e não vende online exibe sua história.

Apesar de às vezes ficar fora do radar, a Goyard e suas malas e baús com bordas estampadas de chevron ficou conhecida como uma das mais desejas marcas de luxo do mundo. A francesa não tem anúncios, não realiza venda online e não paga celebridades ou influencers para usarem seus produtos, além de não dar muitas entrevistas. Apesar disso, a marca conseguiu se consolidar brilhantemente no mercado juntamente com etiquetas como Louis Vuitton e Hermès.

a-historia-da-goyard

Fachada da Goyard na rua Saint Honoré em Paris (Cortesia Goyard/Divulgação)

O propósito inicial da Goyard foi um marco: tudo começou como uma loja em Paris chamada Maison Martin, na qual a aristocracia francesa levava seus pacotes para serem enviados a outros países. Depois de cinco gerações na família Goyard, a marca foi comprada por Jean-Michel Signoles em 1998, que manteve sua integridade levando-a ao estrelato. Desde o início a marca floresceu com o boca-a-boca dos clientes influentes. Desde o chef Alain Ducasse (que tem um baú custodiado para suas facas) ao rapper A$AP Rocky, e até mesmo grandes nomes como Coco Chanel e Jacques Cartier passeavam pelo mundo com suas criações.

a-historia-da-goyard

Um dos baús vintage da marca (Cortesia Goyard/Divulgação)

Entre seus clientes mais lembrados estão o Duque e a Duquesa de Windsor, que compraram suas primeiras peças em 1930 e posteriormente se tornaram colecionadores. Jean-Michel Signoles, que também criou uma espécie de caça ao tesouro pessoal em busca de peças da Goyard, comprou os itens da realeza em 1997. As peças são mantidas agora no arquivo Goyard, um galpão secreto no centro de Paris próximo à flagship no número 233 da Saint Honoré, que tem mais de 700 itens.

a-historia-da-goyard

A nova versão do baú Chiffonier, exibido na feira The Salon Art + Design em Nova York (Cortesia Goyard/Divulgação)

“Cada pedido especial é o resultado de uma colaboração próxima entre o cliente e a equipe Goyard”, conta a marca para a ELLE americana. “Nós começamos com uma entrevista profunda, para entender suas expectativas e visões, seguido de uma aquarela muito precisa da futura peça.” Com um nível sem fim de personalização em termos de materiais, cor, formato, tamanho e função, o único limite real é a imaginação do cliente.

A marca conta ainda sobre momentos especiais, como um pedido feito em 1925 por Hugh Grosvenor, segundo Duque de Westminster para sua amante, Coco Chanel. “O baú certamente foi um presente entre os amantes clandestinos”, conta a casa. Mesmo que no ano seguinte o duque tenha feito um divórcio, Chanel recusou a proposta de casamento. “Existem muitas duquesas, mas apenas uma Coco Chanel.”

Newsletter Conteúdo exclusivo para você
E-mail inválido warning
doneCadastro realizado com sucesso!

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s