A história do tradicional Converse Chuck Taylor All Star está aqui!

No #arquivoELLE, vamos fazer uma retrospectiva de vários itens que, ao longo do tempo, ganharam status de ícones da moda. Para começar, uma viagem pela história do Chuck Taylor: a “camiseta branca” do mundo dos sapatos.

Muito antes de Charles Hollis Taylor se tornar um grande jogador de basquete, a Converse já existia. No entanto, naquela época – em 1908 – quando a empresa foi fundada, eles eram apenas uma pequena produtora de borracha.

Leia também: Coturnos para noite e All Star para o dia, os sapatos dos anos 1990 que são febre (de novo!)

Antenados desde o seu surgimento, tomaram a iniciativa de adentrar o mercado dos calçados nos Estados Unidos e, desde lá, já miravam no esporte que só crescia na terra do Tio Sam: o basquete. Assim, em 1917, surge o All Star – tênis desenvolvido especificamente para os jogadores.

Naquele momento, seu formato, sola e tecido eram o que havia de mais tecnológico para esse universo. Aliás, em uma de suas primeiras propagandas, o par prometia permitir que “o esportista esqueça dos seus pés e coloque seu coração no jogo”.

Divulgação

Divulgação

Foi só em 1922 que “Chuck” Taylor se juntou a Converse de fato. Dentro da empresa, ele foi vendedor, treinador do time da casa e continuou sua carreira em paralelo. Conforme a sua fama no meio do basquete ia crescendo, o All Star se tornou mais conhecido na mesma proporção. O casamento chegou a tal ponto que era impossível desassociar a figura do esportista ao tênis e, assim, em 1934, sua assinatura passou a integrar os modelos vendidos pela marca.

O tempo passou e novos calçados especializados em basquete surgiram. A concorrência nesse meio aumentou e os Chucks perderam sua força em campo. Por outro lado, as ruas já estavam dominadas por eles.

Essa troca de eixo aconteceu porque desde o final dos anos 1960, bandas de rock muito populares como os Beatles, Sex Pistols, The Clash, Ramones e muitas outras, passaram a ostentar os modelos nos palcos e na vida. Em 1971, ao perceber essa mudança de público, a etiqueta não perdeu tempo e logo lançou novas cores do tênis que já estava perto de ganhar o seu status de queridinho da América.

Na década de 1980, as novas interpretações do par pipocaram pelas lojas da etiqueta de estrela. Desde versões over-the-knee, até animal prints que brilhavam no escuro foram criadas. Até hoje, a Converse continua apostando nessas releituras que o mundo da moda tanto ama.

Em 2015, a Converse reformou o Chuck original. O modelo ganhou da Nike (que comprou a marca em 2003) um novo solado, design mais minimalista e shape que leva o conforto em primeiro lugar. O Chuck II chegou às lojas brasileiras no dia 1º de setembro do ano passado e seu lançamento marca o começo de uma nova história para a etiqueta.

Divulgação

Divulgação

Na ELLE de julho, falamos mais sobre essa nova empreitada da marca que tem tudo a ver com o seu DNA esportivo que, por um bom tempo, acabou ficando de lado. Corra para as bancas e descubra o final dessa história!

Mais do #arquivoELLE: Há muita história por trás das suas plataformas e ela está toda revelada aqui

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s