Cinco lições para ter sucesso em um negócio fashion

Eva Chen, chefe de parcerias de moda de Instagram, e outras mulheres que comandam marcas novas e fortes no mercado dão dicas para decolar.

“É ótimo se você tem um bom produto — mas é melhor ainda se você tem uma ótima história por trás dele”, conta Eva Chen, chefe de parcerias de moda do Instagram, frente à uma grande audiência na Parsons School of Design. A conversa é  parte de uma longa parceria entre o Business of Fashion e a Topshop para oferecer informações sobre moda para jovens estudantes.

Aurora James, fundadora da marca de acessórios Brother Vellies, Jen Rubio, criadora das malas Away, e a dupla Iris Alonzo e Carolina Crespo, da Everybody.World, estiveram juntas para falar sobre negócios, criação de labels e os altos e baixos do empreendedorismo. Confira as cinco lições essenciais das experts no mundo fashion:

Identifique um nicho no mercado — e tenha se apaixone por ele.

“Há dois anos, a única coisa que eu sabia sobre malas é que eu tinha uma”, conta Jen, que encorajou a audiência a imaginar produtos que eles precisam, mas não conseguem encontrar no mercado. “Eu não comecei pensando ‘seria muito legal começar uma marca de malas de viagem que tenha relação direta com os consumidores’”, descreve ela sobre seu processo criativo. Foi assim: ‘ah, minha mala quebrou’, e era muito irritante comprar uma nova.” Hoje a Away tem mais de 70 mil seguidores no Instagram e já é queridinha das fashionistas por suas malas simples e de extrema qualidade.

Last Night's Magic 👄🌙 Caroline Heels and AW17 Palms Pumps @haileybaldwin @aurorajames #CFDAawards

A post shared by Brother Vellies (@brothervellies) on

Esteja preparado para trabalhar muito.

“Você tem que estar muito comprometido, determinado, pronto para desistir de todo o resto e perder tudo, pronto para ter todas as portas fechadas em sua cara”, conta Aurora, relembrando de seus primeiros dias com a Brother Vellies, que foi iniciada com apenas U$ 5.000. Mesmo que sua marca tenha crescido e ganhado reconhecimento, o crescimento nas vendas ainda não é fácil “Mesmo quando você cria a melhor coisa do mundo e é reconhecido por isso, qualquer fast fashion consegue fazer mais rápido do que você. Fica cada vez mais difícil.” A diferença entre a Brother Vellies está no tom mágico e sustentável de suas peças, todas feitas na África do Sul, Marrocos, Quênia e Etiópia.

 

Saiba das facilidades e dificuldades do negócio

Aurora cita a prática do RTV (return to vendor, ou retorno ao vendedor), muito comum em lojas grandes, para falar de atitudes perigosas de venda à terceiros: se eles não vendem uma quantidade específica de produtos, eles devolvem para as produtoras e pedem o dinheiro de volta. “Existem companhia que vão à falência por coisas assim”, explicou Iris. Ela e Carolina passaram grande parte de suas carreiras na American Apparel, que só vendia produtos em suas próprias lojas e no e-commerce, e sabem bem do risco que é trabalhar com revendedores. “Nós estamos começando a trabalhar com pré-vendas, e é uma ótima ferramenta, especialmente para negócios menores”

EVERYBODY EVERYTHING EVERYWHERE EVERY DAY MATTERS. Join us for MOBILIZE! a curated project by @jenniboelkens featuring Protest Artwork from 50+ LA creatives with a Silent Auction to benefit the ACLU, Pop Up shops with INFOSHOP LA and EVERYBODY.WORLD (you’ll be able to buy the shirts we’re wearing in a variety of colors), and a special live performance. That's us, Carolina and Iris, co-founders of EVERYBODY.WORLD in the picture captured by the very talented @shelbyduncan. Meet us @thestandard 8300 Sunset Blvd. this Thursday, May 18th from 7–10PM. #everybody #everybodyworld #MOBILIZE #jenniboelkens #protest #curate #present #artwork #la #creative #benefit #auction #aclu #infoshopla #special #live #performance #its #happening #thestandard #hollywood #sunsetblvd #irisalonzo #carolinacrespo

A post shared by EVERYBODY.WORLD (@everybody.world) on

Estabilizar uma identidade nas midias sociais é essencial

Marcas que influenciam vendas através do instagram trabalharam suas identidades visuais até serem facilmente identificáveis pelos consumidores. “Eu consigo saber se um post é do Mansur Gavriel há milhas de distância”, conta Eva. Com o advento do Stories, é também possível brincar com conteúdo de uma forma mais simples. Rubio também fala para dar atenção para as propagandas: “se você é bom em criar conteúdo autêntico online, você pode amplificar o que está fazendo com essas ferramentas.”

Blue bag, green thumb. 📷 @ladulcivida #travelaway

A post shared by Away (@away) on

Aproveite as falhas

“Nao existe só um caminho para o sucesso”, contou Jen. “É muito fácil olhar para alguma coisa e pensar: ‘eu não sei como chegar lá’. Há dois anos a única coisa que eu sabia sobre malas era que eu tinha algumas. “Todas as falhas que eu tive, eu aprendi”, contou Eva. “E não existe nada como experiência desperdiçada. Vá em frente sempre.

 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s