Diretora de casting da Louis Vuitton fala sobre acusações

Ashley Brokaw e Ulrikke Hoyer dão versões contrastantes sobre casting em Tóquio, no qual modelo teria sido enviada para casa por ser "grande demais".

Na semana passada, a modelo dinamarquesa Ulrikke Hoyer postou em seu Instagram e no Facebook um extenso relato sobre ser aconselhada a “beber apenas água” nas 24h anteriores ao desfile da Louis Vuitton no Japão. De acordo com ela, a recomendação partiu da assistente da diretora de casting, Alexia Cheval. A modelo foi mandada de volta para casa por ter sido considerada, em suas palavras, “grande demais”, mesmo após ter sido aprovada previamente para o desfile.

Ashley Brokaw, diretora de casting da marca francesa e da Prada, respondeu às acusações referentes ao caso. Com a exposição nas redes sociais, ela e seus filhos têm recebido ameaças de morte: “eu estou nesse mercado há 20 anos e nunca passei por nada disso”, afirma. “É terrível.”

Leia mais: “Um desfile da Prada precisa de modelos curvilíneas”, diz Prabal

I just returned from Tokyo/Japan, where Louis Vuitton held a beautiful cruise show in Kyoto, I just never made it to Kyoto cause I was canceled for the show due to being ‘too big’. (I’m a size 34-36) Ashley Brokaw’s caster Alexia had said that there had been some problems during the fitting. According to her I had “a very bloated stomach”, “bloated face”, and urged me to starve myself with this statement “Ulrikke needs to drink only water for the next 24 hours”. I was shocked when I heard it. I woke up at 2am and was extremely hungry. The breakfast started at 6:30am – I had the absolute minimum. I was afraid to meet Alexia so my luck she didn’t arrive until 8am, when my plate was taken off the table. She said good morning to me and the other girls and looked at me, then down on my non-existent plate and up at me again. She was checking if I had been eating food. At 7pm my mother agent from Denmark called my to tell the sad news that Louis Vuitton had chosen to cancel me from the show without the refitting and that I was going to be sent back home. Not only did I have a belly, my face was puffy now also my back was a problem. I am glad I’m 20 years old with an elite sports background and not a 15 year old girl, who are new to this and unsure about herself, because I have no doubt that I would then have ended up very sick and scarred long into my adult life. TO READ THE FULL STORY CLICK IN MY BIO!!!!!!! #LVCruise2018 #mistreatmentofmodels #AshleyBrokaw #thefutureisfemale #sowhyeatingdisorders #youknowitstrue #shareifyoucare #jamespscully

A post shared by Ulrikke Hoyer (@ulrikkehoyer) on

Ashley e Ulrikke falaram exclusivamente ao Bussines of Fashion para tentar esclarecer a situação — mas suas versões são conflitantes. A diretora de casting afirma que “acha que houve falhas na comunicação. Antes da prova de roupas, nos disseram que ela tinha 92 cm de quadril. Todos estavam bem com isso e falamos ao ateliê para fazer o que fosse necessário. Ela veio a Paris, fizemos um casaco com suas medidas e a confirmamos para o show. Duas semanas depois, em Tóquio, por qualquer motivo que seja, o casaco não serviu direito. Uma vez que estávamos no Japão, ficamos muito limitados. Não tínhamos um ateliê para refazer nada, e não tínhamos outras roupas para vestí-la. Então foi uma situação devastadora de todas as formas.”

Leia mais: Nii, a desafiadora agência de modelos que está mudando o mercado

Ashley negou que sua equipe fez qualquer recomendação de que Ulrikke deveria beber apenas água, e afirmou que todas as modelos recebiam sugestões de trocar café, coca-cola ou álcool por água para evitar o jet leg e a desidratação. “Ninguém nunca diria a ninguém para não comer. Apenas não é verdade. Nós temos meninas viajando pela primeira vez, ela vêm de muito longe e quando pousam querem combater o jet lag, então bebem toneladas de café e ficam desidratadas. Nós fizemos tudo o que pudemos para garantir que todas estavam o mais saudáveis e descansadas possível.”

Ela continua: “de alguma forma, Ulrikke sentiu que recebeu a mensagem de que ela deveria beber apenas água e não comer nada, e o resto da experiência dela talvez seja pautada por isso. O que quer que ela esteja sentindo ou vendo teve isso como gatilho. O que faríamos com uma garota que não comeu nas últimas 24h? Como ela desfilaria em uma passarela?”

Ulrikke conversou com o site para elaborar sua fala, e afirma que recebeu mensagens de outras modelos que também trabalharam com a diretora e passaram por histórias similares. O Bussiness of Fashion teve acesso ao email de Alexia Cheval, enviado para o agente da modelo, Arnaud Daian, da Oui Management: “Nicolas [Ghesqiuère] estava ciente de que ela tinha 92 cm de quadril, e a colocou em um vestido no qual os quadris ficavam escondidos. Ela veio à prova de roupas ontem em Tóquio para a experimentação final, mas ela não cabe mais no exato mesmo vestido. Ela tem uma barriguinha, sua face está mais inchada, e a parte de trás do vestido é aberta e dá para ver que está apertado“, descreve a mensagem eletrônica.

Leia mais: Modelos negras protestaram em frente ao desfile da Balenciaga

Arnaud Daian exibe ainda uma versão contrastante da diretora de casting, e afirma que estava em Kyoto durante todo o tempo e que toda a comunicação entre a modelo e Alexia passou por ele: “ela me ligou e mencionou que Ulrikke deveria apenas beber água até sua próxima prova de roupas, e que era hora dela levar as coisas a sério se quisesse estar no desfile”, afirmou.

Para finalizar, Ulrikke contou sobre seu propósito ao exibir a história: “não escrevi para que as pessoas fiquem com dó de mim ou nada disso. Eu já fui cancelada de outros desfiles, então não me importo. Isso é para falar sobre esses grandes problemas da indústria. Se uma menina experimenta alguma roupa e então tem 0.5 cm a mais, ela sempre será o problema. O vestido nunca será o problema. Do outro lado, se uma garota veste zero e o vestido é muito grande para ela, eles farão um novo vestido ou irão alterar a peça. Eu acho que isso é louco e assustador.”

Leia mais: Ashley Graham quer fazer todo mundo amar seu próprio corpo

Não é a primeira vez que acusações de abusos por parte das marcas acontecem no mundo da moda. Em março, a Balenciaga demitiu agentes após escândalos de maus-tratos. O governo francês, inclusive, acaba de criar leis para atestar a saúde das modelos e regular o uso de Photoshop. “Eu sei que contando minha história e falando disso eu estou arriscando tudo, mas eu não me importo. Talvez esse tenha sido meu último trabalho e é isso. Eu estou cansada de trabalhar com pessoas que me tratam assim”, finaliza Ulrikke.

Até o momento, a Louis Vuitton ainda não fez um pronunciamento oficial sobre o caso.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s