Nova marca brasileira cria lingeries para todos os tipos de corpos

The Bralette Boutique desenvolve peças delicadas sob medida.

Quando Lena Dunham posou de lingerie e sem retoques para uma marca neozelandesa, a internet celebrou o momento pela sua naturalidade e representação. A marca paulista de slow fashion The Bralette Boutique está possibilitando a mesma sensação de conforto ao desenvolver lingeries para diversos tipos de corpos.

Genize. Link na bio ou bit.ly/tbbresistir

A post shared by The Bralette Boutique (@braletteboutique) on

“A marca surgiu principalmente por necessidade pessoal”, conta Júlia Theodoro, criadora da label, que nasceu em agosto de 2015 com sua busca por sutiãs confortáveis. “Pensei que já que o mercado trabalha em grande parte com peças de tamanho padrão e em escala, a maneira de quebrar o ciclo e resolver questões individuais seria trabalhando sob medida“, descreve ela. “Desde então estamos atendendo mulheres – e homens! – com diversos tipos de corpos, cada um com sua história e peculiaridade.”

Leia mais: Marca brasileira cria biquínis curvy

Juliana. – @lolasalvadore

A post shared by The Bralette Boutique (@braletteboutique) on

A marca desenvolve sutiãs, calcinhas, bodys e outras peças delicadas de renda e tule feitas sem restrição de tamanhos — é só escolher os modelos preferidos no site, enviar suas medidas e fazer o pedido. O conjunto Maki, por exemplo, é de tule bordado e custa de R$ 100 a R$ 114 e permite a escolha de itens como tamanho da alça, tipo do forro e elástico de aderência. Além das candy colors como rosa e roxo claros, o preto também aparece na coleção, envolvendo peças de veludo.

Novidade! Bralette feito em tule bordado rosa bebê e forrado com malha de algodão 💕 Lindo, delicado e muito confortável ✨

A post shared by The Bralette Boutique (@braletteboutique) on

O prazo de produção é de cerca de 20 dias, mas às vezes a estimativa de tempo é um pouco maior — como Júlia abocanhou um nicho de mercado que poucos designers têm a coragem de entrar, o número de pedidos é grande. “Por ser uma pessoa só trabalhando no processo, o único formato cabível pra mim seria o slow fashion, até para poder desempenhar tudo com muito cuidado e atenção, outra coisa que senti que faltava no mercado convencional”, descreve a criadora.

 

 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s