Cinco documentários de moda imperdíveis

Porque nem só de séries vivem os dias chuvosos de férias.

Diana Vreeland: O Olhar tem que viajar (2011)

Em menos de meia hora de filme você já está completamente encantado por Diana, ex-editora de moda da revista Harper’s Bazaar (por 25 anos!) e posteriormente da Vogue americana. Nascida em 1903, ela viu de tudo um pouco na moda e na história – fique atento aos lindíssimos editoriais feitos no Egito para a Bazaar. Ela é a responsável pelo desenvolvimento das grandes exposições de moda do MET, em Nova York. Disponível no Netflix.

 

 

Iris (2014)

A nonagenária Iris Apfel passou a vida lotando quartos de seu apartamento em Nova York com peças e acessórios garimpados em viagens. Estrela tardia, virou celebridade após uma vida nos bastidores da moda (ela era decorada e abriu com o marido a empresa têxtil Old World Weavers). Hoje em dia, dá palestras de estilo e até o rapper Kanye West se declarou fã! Também disponível do Netflix.

 

 

Notebook on Cities and Clothes (1989)

Wim Wenders, diretor de Sal Da Terra (2014), fez um filme na década de 80 em que entrevista o designer Yohj Yamamoto (o japonês que assinava os figurinos do David Bowie). Uma reflexão sobre imagem, identidade, cinema e cidades, o documentário cult marca a transição da era analógica para a digital e a década de 90. Disponível abaixo:

 

 

True Cost (2015)

O documentário problematiza o real impacto social da indústria da moda. Com menos de vinte minutos de filme você já pode se horrorizar com a qualidade de trabalho das fábricas têxtil do sudeste asiático. O único problema: depois de vê-lo, fica difícil comprar qualquer coisa em uma fast fashion sem sentir culpa. Disponível no Netflix.

 

 

Dior e Eu (2014)

Frédéric Tcheng, diretor francês radicado nos Estados Unidos é o responsável por este longa, além de ser co-diretor de Diana Vreeland: O Olhar tem que viajar (2011), entre outras produções relacionadas ao mundo fashion. Nos bastidores da Dior, Tcheng acompanhou o desenvolvimento da primeira coleção de haute couture de Raf Simons, como diretor criativo da maison. Ele pode não estar mais no cargo, mas temos um registro de perto de seu trabalho. Disponível no serviço Net Now.

 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s