Um dia perfeito em Xangai

Restaurantes, bares e passeios frequentados pelos locais na cidade mais cosmopolita da China.

Mês passado, tive a sorte de ser a única brasileira convidada para a abertura da exposição No Longer / Not Yet, que a Gucci organizou em Xangai. “Eu não sei o que está acontecendo exatamente neste país, mas sei que é forte”, me disse Alessandro Michele, diretor criativo da grife italiana e curador da mostra. 

Ele tem razão: Xangai é animada, complexa e, ao contrário do que eu imaginava antes de entrar no voo, muito parecida com São Paulo. Abstraindo a língua, dá para se sentir em casa nas lojas, bares e até mesmo nas ruas. Arquitetura, vegetação e até o ar lembram aqui. As pessoas de olhos puxados e visual minimal também (é só a proporção que muda). 

Quando não estava trabalhando, passei pela cidade com os melhores dos guias, um casal de amigos americanos, o Noah e a Maggie, que moram há cinco anos lá e conhecem absolutamente tudo (thank you, guys!). A seguir, dicas do que fazer em Xangai.

Nana Caetano (/)

Visite o museu Minsheng

Localizado no oeste da cidade, em uma vila fechada onde ficam várias galerias e pequenas lojas, abriga, até 16 de dezembro, a exposição No Longer/Not Yet. Organizada pela Gucci, ela reúne sete artistas contemporâneos para criar obras inéditas que de alguma maneira dialogassem com as roupas ou estampas marca. O próprio Alessandro Michele criou uma incrível sala de espelhos encapada com um papel de parede cuja estampa inspirou suas últimas criações (foto). 

Nana Caetano (/)

Prove a maravilhosa comida chinesa

Assim como São Paulo tem restaurantes de todos os cantos do Brasil, Xangai reúne o melhor da China. Para provar as delícias de Yunnan, vá ao Southern Barbarian, que fica nos fundos de uma galeria na rua Jinxian – você vai achar que se perdeu no labirinto de lojas, mas insista. Lá, provei uma inesquecível salada de hortelã (!). Quem quer se iniciar nos duplings, os pasteizinhos chineses cozidos no Japão, precisa conhecer o Din Tai Fung, restaurante que tem várias unidades pelo mundo e é realmente ótimo, com a vantagem de ter cardápio em inglês. Também é obrigatório provar um hot pot (espécie de fondue oriental em que tudo é cozido na hora em um caldo fervente). Eles têm uma unidade em Xintiandi, bairro que é tipo o jardins de lá, com suas lojas de luxo em ruas fechadas para carros. O fantástico Qimin (foto), supermoderno, fica dentro de um dos muitos shoppings de luxo de Xangai e é o melhor da cidade.

Nana Caetano (/)

Assista ao por do sol do topo de um dos arranha-céus

Praticamente inteira reconstruída nos últimos 20 anos, Xangai é uma cidade que tem muita vida acima do 50o andar. O Park Hyatt começa no andar 79 de um dos prédios de Pudong, o distrito financeiro da cidade, e tem um bar onde não-hóspedes também são bem vindos. Vista impressionante para os enormes edifícios da vizinhança e também para o Bund, a região mais turística da cidade, que fica na beira do rio e tem um calçadão onde moradores e turistas se encontram no começo da noite para passear.

Nana Caetano (/)

 

Nana Caetano (/)

Descanse em algum dos parques e jardins

Muito arborizada e cheia de praças, Xangai é superagradável para uma metrópole dessas dimensões. O Yu Garden (fotos), uma das poucas construções da dinastia Ming que ainda existem lá, te leva para a China antiga. Já o parque Fuxing, na área conhecida como French Concession, é o preferido dos locais, e onde você vai ver de senhores praticando tai chi a famílias “tomando sol” embaixo de barracas, para não queimar a pele, já que ser branquinho é obsessão por lá. De lá, caminhe até Tian Zi Fang, bem turístico, “o” lugar para comprar souvenirs.

Nana Caetano (/)

Garimpe roupas baratíssimas

Qipu Lu, ou cheap stret, é onde estão todas as microlojinhas que fornecem roupas e acessórios para o mundo todo (é, digamos assim, onde estão os fornecedores do Ali Express). Curioso nem que seja para entender de onde saem as roupas que em poucos meses estarão à venda no mundo todo.

Leia mais sobre Xangai e a exposição No Longer / Not Yet na ELLE de novembro.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s