Fernanda Yamamoto convidou moradores da comunidade Yuba para seu desfile

Ela se inspirou nas tradições do grupo e também incorporou suas técnicas na coleção.

“As milenares tradições japonesas nunca pareceram tão atuais”, afirma a marca de Fernanda Yamamoto sobre a criação de sua última coleção, desfilada no São Paulo Fashion Week N45. Sua passarela exibiu uma imersão na cultura da comunidade de ascendência japonesa Yuba, localizada nos arredores de Mirandópolis, a 600 km de São Paulo, SP. A estilista e a equipe visitaram o dia a dia da comunidade, e a a vida e as tradições do grupo, criado em 1930 com inspiração nas obras de Liev Tolstói e Jean-Jacques Rousseau, tocaram todos.

Leia também: O resumo do terceiro dia de SPFW N45

Fernanda Yamamoto SPFWN45

 (Fotosite/Agência Fotosite)

“Fiquei bastante sensibilizada pela simbiose entre a lavoura e as artes, e como essas atividades podem se influenciar mutuamente: a delicadeza com que se toca um instrumento pode também ser percebida no momento de tratar um alimento. Da mesma forma, a dureza e o peso de um trabalho braçal na roça são suavizados com a sutileza das artes”, conta Fernanda. A máxima de Isamu Yuba, criador do grupo, também inspirou a coleção: “para ser um lavrador, é preciso ser artista, e vice-versa.”

Mas a incorporação das ideias e ténicas da comunidade nikkei parecia incompleta se exibida apenas nos processos ou na inspiração das roupas. Percorrendo um caminho inusitado para o mundo da moda, ela convidou moradores da comunidade e pessoas que compartilham e presenciam a filosofia yube em seu dia a dia para serem parte essencial da apresentação. “Conheci a comunidade, estive lá, achei bonita a filosofia. Convidamos as pessoas para desfilar e, como eles dominam esse processo artesanal e artístico, incorporamos isso na coleção”, conta Fernanda. Mulheres jovens e adultas, modelos e moradoras do recanto Yuba, apresentaram as criações de Fernanda estruturadas em tecidos como organza, vazar, shantung e viscose. Todas as cores dos tecidos também forma obtidas através de fingimento natural, e grande parte do urucum, da folha de caju e outros elementos vieram da própria comunidade.

O ato da marca é uma ode ao senso comunitário Yuba, que além de reconhecidos por sua intensa relação com as artes, também são lembrados por suas refeições coletivas.

Fernanda Yamamoto SPFWN45

 (Fotosite/Agência Fotosite)

Fernanda Yamamoto SPFWN45

 (Fotosite/Agência Fotosite)

Fernanda Yamamoto SPFWN45

 (Fotosite/Agência Fotosite)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s