Assista ao discurso da modelo Hari Nef sobre resistência trans

Em sua palestra no TEDtalks, a modelo falou sobre sua vivência e também lançou a campanha #FreeTheFemme. Entenda tudo abaixo!

Hari Nef não é a modelo mais convencional do mundo fashion. Apesar de ter assinado com a mesma agência de ícones como Karlie Kloss e Gisele Bündchen (a IMG models), Nef não é tão magra, nem tão alta e, ainda por cima, é uma mulher trans.

Isso significa que, ao nascer, ela foi designada menino e teve que passar por uma transição psicológica, hormonal e (por que não?) política para se afirmar como mulher perante a sociedade. É sobre esse processo que ela discursou em sua palestra do TEDtalks.

Eu sei que temos que rejeitar os padrões de beleza, mas temos que fazer isso com os nossos corpos?

Por lá, a musa do new designer Vejas Kruszewski começou a apresentação falando sobre a capa de Caitlyn Jenner para a Vanity Fair. “Assim como qualquer mulher, ela também foi julgada ao aparecer publicamente”, diz. Em seguida, ela mostrou comentários de feministas que se posicionam contra a estética imposta pela sociedade às mulheres. “Entendo, mas e se Caitlyn estivesse de terno, sem maquiagem e com o cabelo para trás, será que as pessoas teriam entendido que ela é uma mulher?”, questiona.

Divulgação Divulgação

Divulgação (/)

Hari Nef no lookbook de verão 2016 de Vejas

De acordo com a top, chegou o momento do feminismo passar a aceitar a feminilidade como algo que não vai contra o movimento. “É preciso repensar a maneira como uma feminista deve aparentar. (…) Eu sei que temos que rejeitar os padrões de beleza, mas temos que fazer isso com os nossos corpos? (…) Digo isso porque, para algumas, essa é uma questão de sobrevivência.”

Agência Fotosite Agência Fotosite

Agência Fotosite (/)

A modelo desfilou na última apresentação masculina da Gucci (inverno 2016), em Milão.

Nef cita vários casos de assassinato que aconteceram quando homens descobriram que aquelas pessoas com quem se relacionavam, na verdade, não tinham sido designadas mulheres ao nascer. Segundo ela, para mulheres trans, parecer feminina significa estar segura.

Assim, ela lança a campanha #FreeTheFemme, um pedido para que mulheres que optam por, de acordo com ele, se feminilizarem (usarem maquiagem, salto alto, unhas feitas, etc.) não sejam afastadas do feminismo. Para Hari Nef, essas pessoas também precisam dele. Assista a palestra na íntegra abaixo.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s