“Me recusaram trabalho por ser grande demais, mas também por não ser grande o suficiente”, diz Ashley Graham

Ashley Graham tem levantado um movimento pela aceitação do corpo dentro e fora das redes sociais e, em recente entrevista à revista Self, a top explicou que sempre sentiu que não era boa o suficiente para fazer coisa alguma.

“Eu sempre senti como se estivesse em segundo lugar. Eu nunca era a mais bonita, a mais magra, ou a mais rápida nos esportes. Eu nunca fui a mais inteligente porque tenho dislexia. E, de repente, as pessoas estavam dizendo que eu era linda. E eu falei ‘O quê?’”, explicou sobre quando foi descoberta por um olheiro de uma agência de modelos, aos 12 anos.

Para a modelo, as coisas começaram a degringolar quando ela mudou para Nova York, aos 17 anos, e descobriu o lado feio da moda: aquele que limita, e muito, a presença da diversidade corporal. Ao ponto de um agente de modelos mostrar dinheiro para ela e dizer que ela poderia ganhar muito mais se perdesse alguns quilos.

Leia Mais: Justine LeGault pede para que as meninas sejam mais gentis consigo mesmas

A partir daí, ela tentou todas as dietas que já tinha ouvido falar, mas nada funcionava. Sem a mãe por perto para mostrar apoio, ela sentiu a sua confiança cair ainda mais e viu o seu tamanho aumentar para o 50. Ela não conseguia mais se ver como uma mulher bonita.

“Era a forma como eu estava tratando o meu corpo. Eu olhei para mim mesma no espelho e disse ‘Eu te odeio. Você é nojenta’. Eu olhava para a minha celulite e a gordura nas costas e pensava que teria que fazer um ensaio de lingerie no dia seguinte e sorrir, mas eu estava horrível”.

A sua falta de confiança começou a ser refletida nos seus relacionamentos – passando até mesmo por um relacionamento abusivo – e foi só quando atingiu o fundo do poço, emocionalmente falando, que ela percebeu a necessidade de mudar a forma como olhava para o seu corpo.

Nós fomos ensinadas a falar coisas negativas sobre nós mesmas – a beliscar as nossas gordurinhas e dizer ‘Um dia ela vai embora’. A pedir ‘desculpas’ quando alguém tromba conosco na rua. Eu decidi quebrar esse ciclo. Mas não aconteceu da noite para o dia”.

💖 #FabulousFriday 💖

A post shared by A S H L E Y G R A H A M (@theashleygraham) on

Ashley decidiu abordar a sua carreira na moda como uma empreendedora. Se ela não gosta do seu produto – no caso, o seu corpo – é simplesmente impossível ela ganhar dinheiro como modelo. Por isso, ela precisaria reavaliar o que pensava sobre si mesma e mudar a direção da sua vida.

Uma atleta desde criança, Ashley voltou a se exercitar e a cuidar da alimentação e fez até um voto de castidade, que quebrou apenas na lua de mel com o atual marido, Justin Ervin. Com a mudança, ela adotou uma atitude mais positiva em relação a tudo, especialmente a forma como o corpo é encarado no mundo.

Eu estou tentando mudar a forma como as mulheres olham para si mesmas. Algumas pessoas não entendem – me recusaram trabalho porque eu era grande demais. Mas também me recusaram trabalho porque eu não era grande o suficiente. No fim do dia, eu nunca vou me conformar com o que as pessoas querem. Esse é o meu corpo, eu estou feliz com ele. E ninguém, ninguém, tem controle sobre o meu corpo além de mim mesma”. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s