“Parece que existem cotas para modelos que não são brancas”, diz Estelle Chen sobre diversidade nas passarelas

Por mais que a campanha #RunwayForAll do Instagram, que visa promover o debate sobre diversidade na moda, tenha acabado em maio, a modelo chinesa Estelle Chen ressuscitou a tag para incitar mais discussões. Em seu post, ela reclama da falta de representatividade asiática nas passarelas.

Leia também: Modelo Nykhor Paul fala sobre despreparo de maquiadores para peles negras

Alek Wek quebrou barreiras e usou a fama para se tornar uma porta-voz da mudança

Você pode pensar que não conhece Estelle, mas com certeza já viu seu rosto em desfiles de Alta-Costura de marcas como Chanel e Dior. Mesmo que ela tenha conquistado seu espaço no mundo da moda, a modelo resolveu usar sua voz para chamar atenção a seus conterrâneos no continente asiático.

“#RunwayForAll should be a rainbow of different people who complement one another,” says model Estelle Chen (@chen_estelle), who walked in the Chanel (@chanelofficial) haute couture show in Paris this week. “When I started to gain interest in the modeling industry, a few Asian models, like @liuwenlw and @feifeisun, were already becoming notable. I was happy about this, because before them, Asian models weren’t featured as much,” Estelle says. “It was difficult at times to relate to who I was seeing in magazines or on the runway.” Even so, it hasn’t been entirely easy for Estelle, whose background is Chinese and whose hometown is Paris. “It always seemed like there were only ‘select’ slots available in the shows for models of color, so that was really hard to understand at the beginning,” she says. “It kind of still is, even if the industry is more open now to diversity.” This story is part of an ongoing series featuring models who are redefining industry standards and making sure there’s room on the #RunwayForAll. Photo by @chen_estelle

A post shared by Instagram (@instagram) on

“Quando eu comecei a me interessar por modelar, algumas meninas asiáticas como Liu Wen e Fei Fei Sun já eram notáveis”, escreveu em seu post. “Eu estava feliz por isso porque, antes delas, as modelos do meu continente não apareciam muito. Era difícil eu conseguir me identificar com o que estava vendo nas revistas e nas passarelas. Sentia que havia algumas “cotas” selecionadas para modelos de cor e foi difícil entender isso no começo. Na verdade, ainda é assim, mesmo que a indústria esteja mais aberta para a diversidade”.

As estatísticas apontam uma pequena melhora ano após ano: de acordo com o relatório do The Fashion Spotna temporada de inverno 2016, por exemplo, 24,75% das modelos não eram brancas, comparado a 22,4% no ano passado. Apesar do cenário otimista, os passos ainda são modestos. Por isso, Estelle Chen e muitas outras garotas pressionam a indústria para que esse padrão se transforme e abrace com mais força a diversidade.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s