Por que a Vetements é a marca da vez?

Nossa editora de reportagem de moda desvenda o buzz por trás da etiqueta do momento.

A essa altura você já sabe que o designer Demna Gvasalia é o cara do momento no circuito da moda internacional. Além de sua estreia emblemática à frente da Balenciaga, o moço nascido na Georgia está redefinindo os rumos da moda com o estilo street couture de sua grife, a Vetements – que em pouquíssimo tempo de existência já ganhou status de cult e conquistou uma legião instantânea de fãs.

Com um espírito de rua e construções que fazem jus a seu aprendizado na escola belga, o estilista foi hábil o suficiente para criar um visual impactante, cheio de apelo fashion e muito conectado à cultura jovem. As bases desse estilo estão, como deve ser em qualquer marca que queira construir uma história, apoiadas em uma série de peças-ícone e num certo universo de elementos e personagens.

Saiba quais são essas peças e entenda melhor o conceito que faz da Vetements uma das marcas mais interessantes do momento:

1 – Os hoodies e camisetas com letras estilo “black e death metal”

Agência Fotosite Agência Fotosite

Agência Fotosite (/)

Você pode nunca ter ouvido bandas como Mayhem ou Morbid Angel, mas já deve ter reparado naqueles logotipos de metal com letras rebuscadas que muitas vezes são até difíceis de ler. Esse tipo de letra foi usada em algumas das peças mais procuradas da marca, como o hoodie preto que Rihanna e Kanye West já usaram e nas camisetas de manga longa em cores como amarelo fluo e laranja. É um tipo de código que fala de um certo nicho muito dark e específico do rock e que Demna trouxe para o repertório do mercado de luxo.

2 – As estampas de filmes

Agência Fotosite Agência Fotosite

Agência Fotosite (/)

Sabe aquelas camisetas e peças genéricas com estampas literais de cenas e pôsteres de filmes? Do tipo que se acha em lojas de suvenir ou na galeria do rock? Pois bem, a Vetements entrou nessa onda com a já famosa e sold out camiseta Titanic (Rosie e Jack aparecem ao fundo com o navio afundando à frente, e nas mangas lê-se a frase “coming soon”) e a saia Star Wars. Outro exemplo de como tornar o aparentemente banal desejável em um movimento de ironia.

3 – O uniforme

Agência Fotosite Agência Fotosite

Agência Fotosite (/)

A DHL é uma empresa de entregas que tem um uniforme amarelo com o logo da empresa em vermelho. Demna transformou essa camiseta em um look Vetements. O mesmo ocorreu com a capa de chuva com o escrito “Polizei”, ou seja, uma capa de chuva da Polícia. As peças renderam muitas paródias na web, mas, mais do que engraçadas, também ajudam a entender o movimento de apropriação e deslocamento de símbolos que faz parte desse jogo.

4 – Os vestidos desconstruídos

Agência Fotosite Agência Fotosite

Agência Fotosite (/)

Imagine florais feitos com tecidos bem baratinhos e simples. Demna pega tecidos genéricos de lojas populares, usa as estampas e as transporta para tecidos sofisticados. Levanta as golas e babados e mexe nas barras e nas mangas, num mix de vovó e punk

5 – As maximangas

Agência Fotosite Agência Fotosite

Agência Fotosite (/)

Talvez o elementos mais conhecidos da Vetements, que foi usado por muitas marcas em suas coleções depois do estouro da grife francesa. As mangas cobrem as mãos e deixam uma sobra de tecido, como se fossem de alguns tamanhos maiores que o dono. Esse elemento tem influência das desconstruções da escola belga, por sua vez influenciada pelos japonistas. Tem a ver com os limites do corpo e também com uma ideia de expandi-lo e mudar sua capacidade de movimento por meio da roupa. Como imagem, parece algo grunge, desleixado, com um certo charme desajustado

6 – Os maxivolumes e sobreposições

Agência Fotosite Agência Fotosite

Agência Fotosite (/)

Hoodies e camisetas com maxicasacos realmente maxi. O volume nesse caso agiganta o corpo, muda sua postura e dá um ar meio personagem a quem usa.

7 –  O bloco soviético

Agência Fotosite Agência Fotosite

Agência Fotosite (/)

Demna cresceu na Georgia nos anos 1980 quando o país integrava a União Soviética. As jaquetas sintéticas, os moletons de design básico, os jeans meio baggy ou com lavagens vintage (além das fotos de referência que a turma do designer posta no Insta), todo esse repertório de rua e memória está presente nas coleções.

8 – O mood underground

Agência Fotosite Agência Fotosite

Agência Fotosite (/)

Seja com veludo ou couro, a turma Vetements sempre dá um jeito de imprimir um jeitão underground em seus looks. Até os vestidos com estampinhas fofas acabam ganhando um outro peso, um outro clima. Isso chama-se mood. O mood Vetements tem um pé nos porões do mundo mesmo quando caminha sobre as passarelas de Paris. O que sai desses porões não é mofado, mas cheio de vida e com um olhar diferente e contestador sobre a suposta “normalidade” do mundo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s