Será que a hora da alfaiataria desconstruída finalmente chegou?

Depois dos anos 1990, a tendência nunca mais emplacou com tanta força, mas se depender do verão 2018 internacional, esse jogo vai virar.

Quando eu comecei a acompanhar as semanas de moda, por volta de 2010 — que foi quando a obsessão veio com mais afinco — estava cansado de ver estilistas do São Paulo Fashion Week dizendo que estavam “desconstruindo peças de alfaiataria” em geral por ter “tudo a ver com o verão brasileiro”. Honestamente? Não me recordo de muita gente usando aquilo, de fato, nas ruas daqui. Querendo ou não, um blazer, um paletó, uma calça cenoura ou um colete são todos itens que acabam dando um toque mais refinado à produção. Mesmo que sejam feitos de tecidos mais casuais, cheguem estampados ou em cores leves… O visual ainda fica com cara de “arrumadinho”, não acham?

Naquela época, acho que o mundo estava precisando de outra coisa. Precisávamos do sportswear, do conforto de Alexander Wang — junto com a onda (e o hype nem tão duradouro) dos estilistas asiáticos radicados nos Estados Unidos — ou do drama de um Alexander McQueen que ainda recuperava o glamour, a fantasia e a ousadia de um fazer fashion que estava em seus últimos dias. Hedi Slimane estava em um de seus hiatos — já tinha saído há tempos da Dior Homme — então realmente, não havia ninguém de peso fazendo alfaiataria de um jeito interessante.

O tempo passou, Riccardo Tisci foi ganhando mais e mais notoriedade na Givenchy, Raf Simons saiu da Jil Sander e foi para a Dior e, assim, um blazer começou a ficar menos chic e mais cool. Depois de passar muito tempo mergulhada em moletons — principalmente agora com a explosão Vetements — a moda pode estar tentando entender que o costume completo pode ser tão inventivo, confortável e subversivo quanto o sportswear.

Em 2017, a alfaiataria empresta seus detalhes rigorosos para peças mais descoladas. É o caso do colete alongado xadrez com lapela preta e acabamentos vermelhos que apareceu na Versus — segunda marca da Versace — ou o híbrido de bomber jacket e paletó que foi desfilado pela Toga. Na Tibi, o tecido da calça vira cinto que as vezes se sobrepõe ao blazer em um dos belos truques de styling da grife nessa temporada (leia mais sobre as transparências deles nesta matéria). Amarrações também entram na dança: pelo menos, esta é a estratégia de Jacquemus e de Jason Wu. Ambos usaram a técnica para repuxar saias, transformar terninhos em vestidos e muito mais.

alfaiataria-desconstruida Jason Wu

Jason Wu (FOTOSITE/Agência Fotosite)

O hit, no entanto, fica a cargo do vestidinho de alfaiataria. A partir de tecidos tradicionalmente ligados ao guarda-roupa masculino, várias marcas decidiram tirar as calças e alongar coletes, blazers e paletós para fazer com que eles se tornassem uma só peça. A dupla da Monse vai de xadrez maximalista, Chalayan segue o rumo oposto e faz um minimal vaporoso — com muita pele à mostra — e Dion Lee faz da lapela um laçarote. Sem dúvida, o jeito mais atual de aderir à trend.

Inspire-se na galeria abaixo para mergulhar de cabeça na tendência também!

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s