Último dia de SPFW: acompanhe as críticas dos desfiles aqui

As coleções de Gloria Coelho, Amapô, Ratier, Ronaldo Fraga, Handred, Juliana Jabour e João Pimenta marcaram a finalização do evento.

O dia começou com uma novidade surpreendente no backstage de Gloria Coelho. Ao conversar com a ELLE, a estilista disse que queria fazer, nesta coleção, uma enciclopédia de sua história, dos elementos mais icônicos da trajetória que a elevou ao status de grande dama da moda brasileira. Por isso, os clássicos estão todos lá: os shapes minimalistas com um quê intergaláctico, os vestidos de festa com padronagens de tecido recortado e texturizado a sua maneira e, de quebra, um momento masculino que mostra que a designer está atenta às movimentações do mundo. “Os meninos querem a roupa da minha menina”, disse. Desejo realizado! 

Veja também
SPFW N45

 (Fotosite/Agência Fotosite)

Como é o último dia de SPFW, já dá para afirmar que foram poucos os desfiles que realmente emocionaram. E o da Amapô foi um dos melhores nesse sentido. Carô Gold e Pitty Taliani estavam há um ano trabalhando nesta coleção, pensando em cada look de acordo com o estilo e personalidade de quem o desfilou. O casting era composto por alguns amigos e pessoas que as estilistas encontraram via Instagram. O resultado são peças cheias de identidade, que combinam passado, presente, futuro mais um monte de referências e estampas (as neons, feitas com aerógrafo são um grande bapho). Boa parte das roupas foram criadas a partir de peças de brechó reconstruídas para contar novas histórias, além daquelas já vividas em outras épocas e por outras pessoas. Momentos antes, Gloria Coelho também falou da importância da memória na criação de moda em seu desfile. O assunto volta aqui com vibes outras para lembrar que o que vemos na passarela precisa ser muito mais do que só mais uma blusinha. 

SPFW N45

 (Fotosite/Agência Fotosite)

No desfile da Ratier, o primeiro look já dá o tom da apresentação: ao som da música eletrônica que tem feito jovens virarem madrugadas em galpões abandonados de São Paulo, o dançarino, performer e modelo Loïc Koutana – figura carimbada da noite – entra na passarela com um look mezzo utilitário, mezzo esportivo feito de um tecido que reproduz a textura de papel amassado. As raves do momento são o ponto de partida da etiqueta que, apesar de ter um DNA preto e branco, se jogou nos tons flúo nesta temporada. No entanto, eles aparecem aqui afastados de sua veia 80’s. Tudo é 2000, tudo é millennial: o figurino perfeito para o próximo fervo pós-SPFW. 

SPFW N45 Ratier

 (Fotosite/Agência Fotosite)

Ronaldo Fraga fez de sua passarela um canal. Se inspirou no desastre de Mariana para falar de memória e reconstrução. Mas também para falar de aniquilação, de esquecimento. Uma das maiores tragédias dos últimos tempos, que segue sem responsáveis e não esclarecida, estranhamente deixou poucas imagens humanas no imaginário midiático. As imagens em geral feitas de cima mostravam apenas barro. Ele encontrou mulheres, artesãs da região que estão ajudando a remodelar a vida por lá. Elas contaram pra ele sobre as plantas que existiam ali nos jardins, um símbolo de fertilidade e de presença humana. Resgatou as poucas fotos de família que elas conseguiram salvar e as misturou com as de sua família. Os álbuns de recordações foram tragados pela massa de rejeitos e terra, assim como muitas das pessoas que neles estavam registradas em seus momentos felizes. Coração americano, acordei de um sonho estranho diz a cantora com as palavras de San Vicente, de Milton Nascimento. Um país que parece ter sido atolado por um mar de lama visto de cima, por câmeras e helicópteros. Mas na passarela de Ronaldo há pessoas, há mulheres, e elas estão deitadas no chão. Há cobras em seus vestidos. E cores de luto. Mas também sementes. E cores de luta. A coleção se chama mudas. Talvez porque exista de fato um grande silêncio sobre as dores do mundo, do Brasil, das pessoas. Muito se fala, mas o que se diz? E o que se escuta? Mudas porque também há sementes. Essas roupas são imagens de sementes. Que importante, especialmente nesse momento da moda brasileira e do mundo, que Ronaldo e suas parceiras tenham decidido plantá-las.

Ronaldo Fraga SPFW N45

 (Fotosite/Agência Fotosite)

Uma viagem a Marrakech inspira o designer libanês André Namitala na estreia da Handred no SPFW. A seu favor está a sua preocupação com materiais nobres 100% naturais como a seda e o linho que renderam os melhores momentos da coleção. Destaque para as peças que fogem à formula do conjuntinho esvoaçante: as túnicas e batas reconstruídas, por exemplo, chamam atenção. A etiqueta carioca também acertou em cheio ao convocar Carla Biriba para assinar a beleza. Olhos demarcados em preto, pele com aspecto de “caminhada no deserto” e o trabalho impecável em tranças de Mabatha Ndiaye tiveram papel crucial para fazer a plateia viajar para o mundo árabe. 

SPFW N45 Handred

 (Fotosite/Agência Fotosite)

Juliana Jabour apostou nos esportes de inverno para fazer sua nova coleção, mas a inspiração conta com um twist: ao invés de user cores escuras, a estilista foi para nuances ou claras ou impactantes, como o verde água e o roxo. O tactel, que aparece em peso nas roupas, podia ter sido aplicado de forma óbvia, mas surgiu delicadamente em golas vitorianas e drapeados, nas modelagens ligadas ao mundo esportivo. 

Juliana Jabour SPFWN45

 (Fotosite/Agência Fotosite)

A semana foi fechada com a aguardada estreia da coleção feminina de João Pimenta. Para o seu debut, o designer apostou no bucólico e tomou a indumentária rural como ponto de partida. Por isso, peças como aventais, tecidos como a chita e padronagens como o xadrez pipocam na coleção, mas de maneira inteligente, bem longe do caricato. Os casacos recortados como num patchwork geométrico impressionam ainda mais quando combinados aos vestidos que, mesmo sendo de silhueta seca, tinham camadas e camadas de tecido que geravam uma superfície final totalmente fora do óbvio. Por fim, vale destacar a tridimensionalidade da roupa: as costas, as laterais, os acabamentos e os forros guardam segredos belíssimos que só o olho atento captura.

Joao Pimenta SPFW N45

 (Fotosite/Agência Fotosite)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s